jusbrasil.com.br
3 de Julho de 2022

Piadas que estão perdendo a Graça por serem discriminatórias!

Demorou mas, felizmente a população vem aprendendo a “ser gente”, a respeitar o próximo e as diferenças. No entanto, ainda existe muita discriminação contra gordos, magros, negros, Pessoas com Deficiência, contra feios – é, contra feios e até contra bonitos; imagine só – contra bonitos! Nesse caso até eu gostaria de ser discriminada. Brincadeiras à parte, o fato é que por ser mais bonita que a amiga, uma adolescente perdeu a vida, dia desses ( leia aqui ).

A verdade é que ainda falta muito para que tudo isso se finde. No entanto já se vê melhoras no comportamento humano (do brasileiro).

Hoje já não se percebe tanto aquelas piadinhas públicas envolvendo pessoas “diferentes”. Todavia em privado segue existindo com menos ênfase que antes, mas sim.

Uma das últimas que está sendo considerada como “apologia ao estupro” (violência contra a mulher) vem do marido de Preta Gil (Rodrigo Godoy) que publicou em sua página de rede social uma “piadinha”, considerada por muitos de seus seguidores como sendo criminosa.

— -Oi, gata, comprei umas algemas para gente transar... -Mas eu não quero transar com voce! -Por isso mesmo...

Esse tipo de piada ainda é comum, não é como as que citei no início. Corriqueiramente gente “sem fama” utiliza-se das redes sociais para fazer graça – conseguir likes; quiçá com a implantação do novo botão no face isso diminua um pouco (dislike), descurtir! O do meu computador vai ficar gasto com tanto uso.

Piadas que esto perdendo Graa por serem discriminatrias

Agora, quanto as outras “modalidades” (zuar negros, gordos, pessoas com deficiência, anões etc) está ficando mais raro, a cada dia.

Todavia um e outro acaba colocando o “pé na jaca” e publicando algo que pode acabar com a reputação, ser realmente prejudicado com isso (com boicotes, por exemplo). A revista Glamour, na última segunda (28) publicou algo considerado por eles como motivacional, vejo só um trecho:

"Amiga, o que você tomou para emagrecer? Vergonha na cara" , dizia a publicação, que obviamente reforça o esteriótipo de que quem é gordo é preguiçoso, não tem força de vontade, e nem capacidade de tomar "vergonha" para emagrecer.

Logo em seguida, Paula Bastos, Blogueira publicou:

— Pois é, Glamour Brasil, não adianta fazer uma postagem dizendo que só não emagrece quem não tem vergonha na cara e depois querer fazer vários posts em seguida sobre como se valorizar se você é gorda porque vocês já fizeram um estrago grande na autoestima de mulheres que têm dificuldade para emagrecer ou que não se aceitam. A gente não precisa de mais uma revista disseminando gordofobia e discursos de ódio. Tá aqui o meu recadinho pra atitude patética de vocês!

Essas e outras eram comum, vindas inclusive da mídia. Renato Aragão que o diga em seu antigo programa de “sem graceiras”. Fazer o público rir zuando pessoas era o único, que ele e os seus, sabiam fazer.

Está acabando o tempo que tudo se justificava com "brincadeira". Tem muita gente sofrendo com essa "Ditadura da beleza"! Devemos ter empatia com essas pessoas. Pedir desculpas é uma atitude digna de quem ainda comete esses tipos de indiscrição – mas o melhor de tudo seria mesmo não precisar.

Fica a dica!

Com educação, disciplina e muito estudo você pode se transformar num vencedor e livrar-se, de uma vez por todas, de qualquer “piada sem graça” – quando elas aparecerem mostre o “contra-cheque”, o motivo da piada se esvai. Para que o seu sonhe torne-se realidade baixe Gratuitamente o Ebook do Método de Aprovação 2.0 do Professor, Ex. Defensor Público Gerson Aragão, Especialista em Direito Constitucional e Processo Penal. MBA em Gestão Empresarial pela FGV. Autor do Livro Entendendo a Jurisprudência do Supremo. Participa dos Projetos: Aplicativos Jurídicos para iPhone e iPad, Método de Aprovação e Informativos Resumidos.

Autoria/Comentários: Elane F. De Souza OAB-CE 27.340-B

Foto/Créditos: portalimprensa. Com

Informações relacionadas

Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
Notíciashá 13 anos

Dormientibus non succurrit jus (O Direito não socorre aos que dormem)

7 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Desculpe, mas essa do emagrecer é a mais pura verdade! Sou gorda e estou na luta e falo de experiência própria! O mundo está se tornando uma chatice, o politicamente correto está acabando com ele! continuar lendo

mas nada dá direito de você zombar de outra pessoa. Vc deve guardar pra você! continuar lendo

Dizer que dá pra ser feliz com sobrepeso é uma mentira, que permite que nos acomodemos a milhares de anos Luz do nosso amor próprio! continuar lendo

Olá amiga Elane, belo texto como sempre.

A realidade dos fatos,da-se pela lei do consumismo imperativa que se vê nas redes sociais e televisivas.
Seguindo os passos da modernidade, as mães educam suas filhas para serem as mais belas e para serem modelos intrínsecas, e os pais, educam seus filhos para serem jogadores de futebol.
Parece uma regra básica de convivência social atribuída ao glamour e ostentação.
Evidentemente gostaria de ter nascido como os dois talentos, lindo e jogador de futebol, não precisaria estudar, é só investir na carreira de modelo e nas horas de folga jogar bola no Barcelona.
Investir no rosto lindo e barriga de tanquinho e pernas musculosas para ótimos dribles, e, muito dinheiro no bolso.
Parece fácil, escrever também, mas o caminho a ser trilhado para quem tem esses talentos, não é nada fácil.
A cultura da moda, da beleza, é o mercado mais promissor, para ambos os sexos, a vaidade vem do berço.
Se uma mãe não teve a oportunidade de participar do concurso da mais bela em tempo de escola, mas a filha vai, se o pai foi destinado ao trabalho desde menino e não teve oportunidade de fazer um teste na escolinha de futebol, o filho também vai.
Enfim amiga, ser feio, gordo, magérrimo, negro, branco e normal, não faz parte da cultura do consumismo global, pois, ser o mais lindo (a) é o diferencial, o que as pessoas mais presam.
Resta a nós os "normais", estudar para ser melhor. continuar lendo

Sofri de Gordofobia por parte de 2 colegas de trabalho.
No bife da festa, na comemoração de aniversário do chef, etc, etc.
Os comentários eram sempre os mesmo;
rápido, pega um pratinho que lá vem o gordo.
Vai acabar tudo antes mesmo da gente provar.
Pessoal, vocês não sentem que o espaço aqui está muito apertado.
Gente preguiçosa nem devia ter emprego.
Processei as duas e ganhei, e como meu chefe gostava de mim, ele ficou sabendo disso e colocou as duas na rua. continuar lendo